Formulário de busca

03/08/2018 - 20:58

Wadih Damous - Nova OAB - nº 22

Wadih Damous - Nova OAB - nº 22

 

Por que o senhor é candidato a presidente da OAB/RJ?

 

Wadih Damous - Porque é preciso dar continuidade ao trabalho destes três anos. Os candidatos oponentes apoiaram as gestões passadas que levaram a OAB ao descrédito. O atual vice-presidente é capaz de qualquer coisa para se fazer presidente. Critica até atos e medidas por ele adotados e assinados, como o contrato com a Unimed. Com ele, teríamos o retrocesso e o fim de serviços importantes, como o plano odontológico gratuito. Além disso, aquela OAB histórica, respeitada por sua contribuição para a conquista e o aperfeiçoamento do Estado de Direito e da democracia, tinha desaparecido.

 

Quais as prioridades de seu mandato?

 

Wadih Damous - Vamos consolidar o trabalho realizado. Mas alguns pontos merecerão atenção especial:

a) Vamos prosseguir na reestruturação da Caarj. Seu plano de recuperação foi aprovado pela ANS. Saímos de uma situação catastrófica para um quadro que já nos permite certo otimismo, com as despesas equacionadas e com os ralos tapados. As negociações com credores reduziram a dívida em 30%. Com renegociação e pagamentos diversos, o valor devido à rede credenciada foi reduzido em mais de R$ 17 milhões. A dívida com os bancos diminuiu 91%. E a dívida total hoje caiu R$ 30 milhões. Por outro lado, a gestão da carteira do antigo Plasc pela empresa contratada é aprovada por 81% dos usuários. A assistência odontológica gratuita tem aceitação generalizada. Isso, sem falar de outros convênios, que transformaram a Caarj numa verdadeira caixa de assistência e não, simplesmente, numa entidade que se limitava a administrar - mal - um plano de saúde que fazia água mais e mais. Em 2010, vamos criar o Programa de Saúde Preventiva, oferecendo gratuitamente, a cada ano, exames preventivos de rotina a advogados com mais de 60 anos.

b) Vamos avançar na defesa de nossas prerrogativas. Fortaleceremos ainda mais a CDAP, que nesta gestão fez um trabalho admirável. Vamos mostrar à sociedade que, sem respeito às prerrogativas dos advogados, quem perde é a cidadania. Nesse sentido, foi importantíssimo termos conseguido o fim da revista na porta do Fórum. Ela contribuía para criar uma imagem ruim dos advogados.

c) Vamos continuar pugnando por uma Justiça digna deste nome. É inadmissível a morosidade que prejudica fortemente a população e os advogados. Existem juízes que não compreendem que nós, advogados, somos indispensáveis à administração da Justiça. Seguiremos combinando pressão e diálogo para que os problemas sejam superados. E faremos sessões públicas de desagravo a advogados desrespeitados por juízes na porta de tribunais.

d) Vamos enfrentar os desafios postos com o advento do processo digital - um fato inexorável, que pode prejudicar milhares de advogados em nosso país.Temos de nos preparar. Firmaremos convênios para advogados e estagiários obterem financiamentos em condições facilitadas para a aquisição de computadores e equipamentos de informática e ofereceremos cursos, de forma descentralizada, para capacitar os profissionais para essa nova realidade.

 

Como o senhor vê o papel da OAB em relação aos advogados?

 

Wadih Damous - A OAB é essencial ao advogado. Sem seu apoio, nos momentos em que isso se faça necessário, é impossível exercermos bem nosso trabalho. E a conseqüência seria um enorme prejuízo para o Estado de Direito e o respeito aos direitos dos cidadãos. Esse suporte é até mais importante do que a sustentação material ao trabalho dos advogados - que temos prestado e continuaremos a prestar. Mas cabe à OAB também apoiar materialmente o trabalho dos advogados. Assim, vamos manter e aperfeiçoar projetos como o OAB Século 21, que investiu R$ 1 milhão na construção, reforma e compra de equipamentos para salas de advogados; o Recorte digital, já com cerca de 30 mil beneficiados; os cursos de formação profissional e atualização jurídica; os escritórios compartilhados; o transporte para advogados; o plano odontológico gratuito e outros mais.

 

Como o senhor vê o papel da OAB em relação à sociedade?

 

Wadih Damous - Quem estuda a História do Brasil encontra a OAB na luta pelo Estado de Direito e pela democracia. Esse papel da Ordem não deve ser visto como coisa do passado. Ele permanece tendo a maior importância. Vivemos hoje num Estado de Direito e numa democracia. Mas, democracia plena não significa apenas o respeito a direitos de cidadania ou a um calendário eleitoral. Isso é essencial, mas não é tudo. As desigualdades sociais afetam não só o caráter democrático de uma sociedade, mas princípios republicanos básicos. Afinal, como pensar numa república genuína, em que todos sejam cidadãos com direitos iguais, se ainda há milhões na miséria? Haverá igualdade de oportunidades entre o filho de uma família abastada e um menino pobre?

 

As lutas pela democracia e pela justiça social se integram. Não teremos a primeira em sua plenitude sem a segunda. Somar-se ao esforço para a construção  de um Brasil democrático e justo socialmente é tarefa da OAB. Foi ontem, é hoje e será amanhã.

 

Mas ainda há muito a ser feito. Por tudo isso, aceitei o pedido dos 16.822 colegas que firmaram um abaixo-assinado pedindo que me candidatasse à reeleição.

 

 

Programa de governo e composição da chapa

 

Apoio ao advogado - Preparar a advocacia para o processo digital, com cursos de capacitação e financiamento para aquisição de equipamentos; criar mais protocolos integrados em sedes da OAB/RJ, para recebimento de petições; defender a aprovação do projeto de lei que estabelece honorários de sucumbência na Justiça do Trabalho, apresentado pela Seccional; fortalecer ainda mais a CDAP; realizar sessões de desagravo nas portas dos tribunais, na defesa de advogados vítimas de violação de prerrogativas; criar o juízo de admissibilidade e um grupo de conciliação no Tribunal de Ética e Disciplina para arquivar, de plano, representações estapafúrdias; ampliar o Recorte digital com Diários Oficiais de outros estados e fazendo com que a leitura ocorra também em nome de sociedades de advogados; exigir lisura nos concursos para magistratura, Ministério Público, defensorias e procuradorias, se necessário indo novamente ao CNJ.

 

Jovens advogados - Criar pacote de apoio ao advogado no início da vida profissional; manter a política, por nós implantada, de anuidades diferenciadas para advogados com até cinco anos de inscrição; realizar uma feira anual de estágio e emprego; ampliar o Banco de Estágios.

 

Caarj - Implantar o Programa de Saúde Preventiva, oferecendo gratuitamente, a cada ano, exames preventivos de rotina a advogados com mais de 60 anos; manter o atendimento odontológico gratuito; manter parcerias com as empresas de gestão de planos de saúde, oferecendo qualidade, preços acessíveis e vasta rede de atendimento; ampliar a rede conveniada da Caarj; pagar a dívida da Caarj, conforme plano aprovado pela ANS.

 

Escritórios-modelo - Capacitar funcionários da OAB/RJ e voluntários para mediação, disseminando métodos não adversariais de resolução de conflitos.

Subseções - Criar as subseções de Leopoldina, Seropédica e Japeri; ampliar o programa OAB Século 21.

 

Atuação institucional - Criar mais postos avançados em comunidades carentes; defender os direitos humanos, exigindo das autoridades respeito às leis; criar campanha de valorização da advocacia, aumentando a percepção da sociedade sobre a importância do advogado e do respeito às prerrogativas profissionais.

 

 

Diretoria da OAB/RJ

 

Presidente - Wadih Nemer Damous Filho

Vice-Presidente - Sergio Eduardo Fisher

Secretário-Geral - Marcus Luiz Oliveira de Souza

Secretário-Adjunto - Wanderley Rebello de Oliveira Filho

Tesoureiro - Marcello Augusto Lima de Oliveira

 

Conselheiros efetivos

 

Adilza de Carvalho Nunes

Adriana Astuto Pereira

Afrânio Valladares Filho

Alvaro Sérgio Gouvêa Quintão

Anderson Elisio Chalita de Souza

Andrea Saramago Sahione de Araujo Pugliese

André Porto Romero

Bernardo Pereira de Castro Moreira Garcia

Breno Melaragno Costa

Bruno Calfat

Carlos Fernando de Siqueira Castro

Carlos Henrique de Carvalho

Carlos José de Souza Guimarães

Claudio Sarkis Assis

Daniele Gabrich Gueiros

Déa Rita Matozinhos Oliveira Larose

Diogo Rudge Malan

Eduardo Antônio Kalache

Eduardo de Souza Gouvea

Felipe Rocha Deiab

Fernanda Lara Tórtima

Flávio Antonio Esteves Galdino

Francisco Gonçalves Dias

Gabriel Francisco Leonardos

Guilherme Pollastri Gomes da Silva

Gustavo Binenbojm

Jonas Oberg Ferraz

Jorge Augusto Espósito de Miranda

José de Anchieta Nobre de Almeida

José Nogueira D’Almeida

José Oswaldo Correa

José Ricardo Pereira Lira

José Roberto de Albuquerque Sampaio

Leonardo Branco de Oliveira

Leonardo Ducan Moreira Lima

Luciano Vianna Araujo

Luiz Américo de Paula Chaves

Luiz Alberto Gonçalves

Luiz Bernardo Rocha Gomide

Luiz Filipe Maduro Aguiar

Luiz Gustavo Antônio Silva Bichara

Marcelo Feijó Chalreo

Marcelo Mendes Jorge Aidar

Marcia Cristina dos Santos Braz

Marcio Vieira Souto Costa Ferreira

Marco Enrico Slerca

Marcos Bruno

Marcos Dibe Rodrigues

Maria Margarida Ellebogen Pressburger

Mauricio Pereira Faro

Mauro Abdon Gabriel

Mônica Prudente Giglio

Murilo Cezar Reis Baptista

Newma Silva Ramos Maués

Nilson Xavier Ferreira

Niltomar de Sousa Pereira

Paolo Henrique Spilotros Costa

Paulo Parente Marques Mendes

Paulo Renato Vilhena Pereira

Paulo Rogério de Araujo Brandão Couto

Ranieri Mazilli Neto

Raphael Ferreira de Mattos

Reinaldo Coniglio Rayol Junior

Renan Aguiar

Renato Cesar de Araujo Porto

Renato Neves Tonini

Ricardo Lodi Ribeiro

Roberto Ferreira de Andrade

Roberto Monteiro Soares

Rodrigo Garcia da Fonseca

Ronaldo Eduardo Cramer Veiga

Samantha Pelajo

Sergio Batalha Mendes

Vania Siciliano Aieta

Tatiana de Almeida Rego Saboya

 

Conselheiros suplentes

 

Alexandre Freitas de Albuquerque

Andre Andrade Viz

Antonio Geraldo Cardoso Vieira

Antonio Jose de Menezes

Antonio Santos Junior

Antonio Silva Filho

Astrogildo Gama de Assis

Bruno Vaz de Carvalho

Carlos Gustavo Loretti Vaz de Almeida Barcellos

Carlos Nicodemos Oliveira Silva

Cesar Augusto Prado de Castro

Claudio Goulart de Souza

Eduardo Farias dos Santos

Fabio Coutinho Kurtz

Fernando José Alcantara de Mendonça

Geraldo Antonio Crespo Beyruth

Geraldo Marcos Nogueira Pinto

Gustavo Senechal de Goffredo

Ivan de Faria Vieira Junior

Jansen Calil Siqueira

Joaquim Tavares de Paiva Muniz

Jonas Gondim do Espirito Santo

Jorge Antonio Vaz Cesar

Jorge Tardin

José Alzimé de Araujo Cunha

José Antonio Rolo Fachada

Leda Santos de Oliveira

Livia Bittencourt Almeida Magalhães

Luiz Alexandre Fagundes de Souza

Luiz Roberto Gontijo

Marlos Luiz de Araujo Costa

Maxwel Ferreira Eisenlohr

Paulo Haus Martins

Ricardo Brajterman

Roberto Dantas Araujo

Rogério Borba da Silva

Romualdo Mendes de Freitas Filho

Selma Regina de Souza Aragão Conceição

Norberto Judson de Souza Bastos

Warney Joaquim Martins

 

Conselheiros federais

 

Carlos Roberto de Siqueira Castro

Claudio Pereira de Souza Neto

Marcus Vinicius Cordeiro

 

Suplentes:

Gisa Nara Maciel Machado da Silva

Ronald Cardoso Alexandrino

 

Diretoria da Caarj

 

Presidente - Felipe de Santa Cruz Oliveira Scaletsky

Vice-Presidente - Hercules Anton de Almeida

Secretário-Geral - Renato Ludwig de Souza

Secretária-Adjunta - Naide Marinho da Costa

Tesoureiro - Ricardo Oliveira de Menezes

 

Suplentes:

Julio Cesar da Costa Bittencourt

Rui Teles Calandrini Filho

 


Abrir WhatsApp