Após uma sexta-feira de trabalho intenso, o II Colégio de Presidentes de Subseção iniciou o sábado, dia 14, com o painel que tratou da atuação da Diretoria de Mulheres da Seccional, novidade da gestão do presidente Luciano Bandeira. Capitaneada por Marisa Gaudio, a diretoria concentra sua atuação na defesa das prerrogativas da mulher advogada e na valorização da profissão, com projetos que pretendem incentivar a participação das colegas tanto no sistema OAB quanto em postos de destaque na advocacia. O foco, agora, é levar esses projetos de forma mais incisiva para o interior do Rio de Janeiro.

Tendo em mente a necessidade de redobrar a atenção com a gestão financeira em períodos de crise, o tesoureiro da OABRJ, Marcello Oliveira, convidou o ex-presidente da OAB Maringá Marcelo Costa para falar aos mandatários das unidades da Ordem sobre a experiência exitosa que ele teve na geração de receitas naquela subseção. Para Marcello, buscar novas fontes de receita é tão importante quanto gerir bem o repasse que as subseções recebem da Seccional. "Isso dá independência para as subseções", disse.

Ainda na manhã de sábado, a vice-presidente da OABRJ, Ana Tereza Basílio, apresentou seus projetos, voltados à capacitação e ao lado prático da profissão. São eles o banco de oportunidades - denominado Advoga -, o projeto de mentoria e o curso de certificação profissional. Ana Tereza ressaltou a participação coletiva da gestão. "Não há outra Seccional com tanto espaço para um vice-presidente", elogiou.

Em seguida, houve a apresentação das diretrizes da comunicação da Ordem. Na abertura do painel, o diretor de Comunicação da OABRJ, Marcus Vinicius Cordeiro, apontou o processo de dinamização e modernização dos canais de informação da Seccional como um dos grandes ganhos nessa área. "Nós queremos que os advogados e advogadas do Rio de Janeiro não sejam apenas receptores de notícias, mas também partícipes", ressaltou Cordeiro.

Por fim, o diretor do Departamento de Apoio às Subseções (DAS), Fábio Nogueira, que também é secretário-adjunto da Ordem, anunciou um convênio com a Universidade Cândido Mendes. O acordo possibilitará aos colegas realizar a pós-graduação na instituição pagando mensalidades de R$ 199, valor muito abaixo dos praticados no mercado. As aulas serão online. "A única forma de superar a crise é se reinventando, e para isso o advogado tem necessariamente que estar qualificao", afirmou Fábio.