A campanha da OABRJ - por meio do Observatório da Covid-19 - e da Caarj “Vacina é direito” acaba de receber o reforço da conselheira seccional e integrante da Comissão OAB Mulher Maria de Fátima Cabo, que está prestes a receber a segunda dose da vacina AstraZeneca/Oxford. A iniciativa busca conscientizar a advocacia da importância de se vacinar contra a doença tão logo o Plano Nacional de Imunizações permitir.

Maria de Fátima, de 77 anos, se disse profundamente atravessada pela restrição ao atendimento presencial que a pandemia trouxe. A advogada especializada em Direito de Família custou a se adaptar ao regime de home office total, às audiências e às reuniões do Conselho Pleno da OABRJ telepresenciais, mas hoje a rotina profissional já transcorre com tranquilidade. 

“Tomei um susto quando vi que precisaria ficar longe do meu escritório, do encontro com meus clientes que eu prezo tanto e do convívio com meus familiares por causa da minha idade”, lembra ela, que atua no Direito há 23 anos, depois de se aposentar como funcionária pública federal lotada no Ministério da Saúde.


O aspecto profissional não foi a pior face desses tempos para Maria de Fátima. Poucos meses depois de a pandemia ser declarada pela Organização Mundial da Saúde, ainda em 2020, ela perdeu um sobrinho de 32 anos de idade para a doença. Era taxista e deixou mulher e um filho de sete anos. 

“A vacinação é um direito e um dever de todos, para que as pessoas que precisam atuar na linha de frente possam ter mais tranquilidade para trabalhar. Dou muito valor àqueles que se arriscam trabalhando em hospitais, no Corpo de Bombeiros, na educação e principalmente os colegas e as colegas da advocacia. Nossa classe é muito unida e vai conseguir superar esta crise, que se estenderá ainda a médio ou até longo prazo”.