A OABRJ lamenta a morte de Paulo Bonavides, ex-presidente do Conselho Federal e um dos maiores constitucionalistas da história do país, ocorrida nesta sexta-feira, dia 30. O jurista tinha 95 anos. A Seccional e a OAB decretaram luto oficial por três dias. 

Paulo Bonavides recebeu a medalha Rui Barbosa, a mais alta honraria concedida pela OAB, em 1996, sendo referência para toda uma geração de advogados e juristas no Brasil. Nascido em Patos, na Paraíba, Paulo Bonavides atuou ainda como jornalista e cientista político, escreveu livros de referência na área jurídica e foi professor universitário.  

Bonavides recebeu o título de Doutor honoris causa pela Universidade de Lisboa e pela Universidade Inca Garcilaso de La Veja, era professor emérito da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará, em Fortaleza, e fundador e diretor da Revista Latino-Americana de Estudos Constitucionais; Nieman Fellow Associate da Universidade de Harvard. 

Era presidente Emérito do Instituto Brasileiro de Direito Constitucional (IBDC) e presidente de honra do Instituto de Defesa das Instituições Democráticas (IDID), além de ser membro da Academia Cearense de Letras, onde ocupou a cadeira de número 17. 

“A Seccional se junta às vozes consternadas da comunidade jurídica nacional e exalta o autor de valiosos estudos que ajudaram a sistematizar o Direito Constitucional brasileiro. Seu legado, que abraça também a História do Brasil e a ciência política, ajudou a formar gerações e será constantemente renovado por aqueles que honram a advocacia”, afirma o presidente da OABRJ, Luciano Bandeira.  

O presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, considerou o falecimento de Bonavides “uma perda irreparável de um mestre excepcional, que foi responsável, ao lado de outros grandes juristas de sua geração, pelo protagonismo do Direito Constitucional, com um papel fundamental para o Estado Democrático de Direito”.