Assim que a Organização Mundial de Saúde decretou estado de pandemia da Covid-19, em março, a Seccional criou um gabinete de crise para tratar das questões relacionadas ao novo coronavírus. Nove meses depois, após um período de queda nos números de casos e mortes e aparente controle da situação, voltamos a enfrentar uma crise de proporções trágicas, inclusive com a iminente saturação do sistema de saúde. Este recrudescimento foi debatido na última sessão do Conselho Pleno, que decidiu criar o Observatório da Covid-19 da OABRJ.

"Vamos acompanhar este novo estágio da evolução da pandemia promovendo contatos e parcerias com universidades e instituições de saúde, como a Fiocruz. Queremos participar de discussões junto aos órgãos públicos federais, estaduais e municipais para, com informações e dados científicos, municiarmos a Diretoria da OABRJ", explica o ouvidor-geral da Seccional, Carlos Henrique de Carvalho, que foi um dos nomeados para o observatório. "Queremos dar respostas à advocacia e contribuir com a proteção da sociedade, já que somos mais do que um órgão de classe", completa.

Além de Carvalho, compõem o observatório o procurador-geral da OABRJ, Alfredo Hilário; a coordenadora de prerrogativas na Justiça do Trabalho, Clarissa Costa; e os conselheiros seccionais Érica Pereira Santos e Marcos Luiz Oliveira de Souza.