O “novo normal” para quem opera na Justiça do Trabalho país afora passa pelo Balcão Virtual, projeto instituído pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e regulamentado pelo Tribunal Superior do Trabalho no final de fevereiro para facilitar a comunicação dos jurisdicionados com as unidades judiciárias e reduzir a necessidade de circulação de pessoas nas sedes da Justiça. 

No Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT1), cujas instalações continuam fechadas ao público, o projeto entrou no ar em março. 

A funcionalidade permite que advogados e partes interessadas nos processos acessem, por meio de videoconferência e sem agendamento, os serviços do tribunal durante o horário do atendimento ao público externo (das 10h30 às 15h30), por meio do aplicativo Zoom. Os links para a comunicação com cada unidade são acessados no portal do TRT1.

[Início/ Serviços/Processos/Balcão Virtual] 


As 160 unidades judiciárias do estado, entre elas, as 146 varas do trabalho e as dez turmas do órgão, participam do projeto. Por meio desse canal de comunicação com o TRT1, é possível tratar de processos físicos ou eletrônicos em tramitação nos órgãos jurisdicionais, tanto dos 1º e 2º graus, bem como no Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Soluções de Disputas (Cejusc), de 1º e 2º graus, e na Coordenadoria de Apoio à Execução (Caex). A regulamentação do programa no âmbito do tribunal regional está estabelecida no Ato nº 22/2021.   

O Balcão Virtual não substitui o peticionamento pelo sistema de processo eletrônico adotado no TRT1 e é vedado o uso para o protocolo de petições. A novidade não se confunde com o agendamento para atendimento do advogado ou jus postulandi pelo magistrado.