Plural, diversa, heterogênea. A advocacia, assim como a sociedade, tem vários perfis, apesar dos grandes pleitos em comum a todos os seus profissionais. Por isso, um dos maiores desafios da Ordem – e sua grande missão, ao mesmo tempo – é administrar ações que atendam a cada especificidade de seus inscritos.

Nos últimos anos, a Seccional entendeu que precisava abrir seu leque de benefícios à classe. Projetos voltados para a capacitação profissional, espaços cada vez mais preparados para a realidade digital do Judiciário e apoio institucional constante representam apenas uma parte da extensa gama de serviços oferecidos pela entidade.

Para mostrar como a estrutura oferecida compensa o valor da anuidade, a OABRJ propõe um cálculo: dividir seu custo (R$ 960,04) pelos 12 meses do ano. São R$ 80 ao mês, ou, ainda, R$ 2,63 por dia.


● Escritórios compartilhados da OABRJ X Espaços de coworking


O valor a que chegamos na conta, para começar, já é menor do que montar e manter um escritório próprio ou uma sala dentro de uma empresa de coworking por mês. É mais barato até do que atender, uma vez só ao mês, um cliente de forma reservada em uma unidade de uma rede de espaços de trabalho compartilhado.

O contrato para uso exclusivo de um escritório em uma rede de espaços de trabalho compartilhado gira em torno de R$ 2 mil por mês e somente uma diária já ultrapassa os R$ 80 mensais gastos pelos colegas: a média é de R$ 150 por um dia em uma sala reservada dentro de um coworking.

Já os escritórios compartilhados, presentes em todas as comarcas do estado, estão disponíveis para todos os colegas a nenhum custo a mais. Para que mais profissionais tivessem acesso a essas salas, que a OABRJ entende como fundamentais em tempos de crise como os de agora, as casas da advocacia foram ampliadas recentemente, assim como diversas subseções. A meta desta gestão é chegar à marca de 400 escritórios compartilhados espalhados pelo estado até o final do ano.

Com a nova realidade imposta pelo isolamento social, a OABRJ prontamente se adaptou às novas necessidades, equipando esses espaços e suas salas com a estrutura necessária para as videoconferências.
 

● Centrais de peticionamento X Lan house


A anuidade contrabalança, também, com a taxa que seria paga na lan house que um profissional precisaria utilizar para acessar a internet na correria do dia, sem um escritório perto ou computador próprio à mão. Uma hora em um espaço como esses no Centro custa em torno de R$ 7, sem embutir o valor de impressões ou da digitalização de documentos. 

Nas centrais da OABRJ, os colegas ainda encontram os serviços de instalação dos sistemas dos tribunais em seus laptops e auxílio remoto para a instalação nos desktops dos profissionais, além do peticionamento assistido por funcionários capacitados. 


● Recorte Digital da OABRJ X Serviços de publicação nos diários oficiais


O Recorte Digital atende aos mais variados nichos da advocacia. Oferecido para que os inscritos não percam seus prazos e tenham o melhor da tecnologia a seu favor no dia a dia, ele não só dá acesso às publicações dos tribunais do Rio de Janeiro e superiores, algo que custa em torno de R$ 30 por mês no mercado, como permite que os colegas cadastrem até quatro outros estados. Essa possibilidade, mais ampla, é vendida nas empresas por até R$ 150 ao mês.

Só esse serviço, se pago à parte pelos colegas, demandaria um gasto de R$ 1.800 anuais.


"Não podemos desamparar o advogado da ponta"

O guia máximo é: nenhum advogado sairá prejudicado. E, diante da crise acentuada no último ano, que se transformou em um dos períodos mais difíceis para a advocacia até hoje, é necessário agir pelos que não têm a estrutura básica para se manter nos novos tempos. "Perante uma classe diversa, é preciso pensar nas necessidades que nem sempre são de todos", destaca o presidente da OABRJ, Luciano Bandeira.

A Ordem sabe que há colegas com condições para equipar seus próprios computadores e manter seus escritórios. A OAB sabe que muitos colegas têm seu próprio meio de digitalizar documentos, imprimir, que há advogados que poderiam pagar por um serviço de recorte eletrônico para acompanhar suas publicações. Mas esta gestão acredita que é preciso pensar em quem não tem.

“Não queremos e não podemos desamparar o advogado da ponta, o colega que está todos os dias nos fóruns e que no meio desta crise em que vivemos precisa da Ordem mais do que nunca. A função da OABRJ é não deixar que isso aconteça”, afirma Luciano Bandeira.

A balança do quanto compensa o valor investido na anuidade desequilibra, também, ao analisarmos os serviços e suportes incapazes de serem mensurados em dinheiro. É o caso do apoio institucional dado à advocacia seja por meio da defesa das prerrogativas da classe ou pelas batalhas travadas junto aos tribunais do estado. Na tratativa de convênios que sirvam para facilitar a vida dos colegas, exemplo dos firmados com os bancos para expedição de alvarás e mandados de pagamento, ou na atualização profissional gratuita promovida pelas mais de 140 comissões especiais da Seccional. Sem falar nas quatro escolas especializadas: Escola Superior de Advocacia; Escola de Gestão de Pequenos e Médios Escritórios; Escola de Inclusão Digital; e Escola de Prerrogativas. 

A OABRJ realiza cursos de capacitação digital específicos para a terceira idade, por exemplo, que tem maior dificuldade de adaptação aos processos eletrônicos; possui grupos de trabalho dentro de comissões - como a OAB Mulher, que busca debater e atender cada questão particular dentro do amplo universo do que é ser mulher advogada; e investe nas transmissões online de seus eventos, para que os colegas de todo o Estado do Rio possam acompanhá-los.  

Há ainda os projetos da Caarj voltados a condições mais específicas, como o Aprender, que auxilia com um valor anual advogados e advogadas de baixa renda com filhos com idade entre três e 18 anos; e o Nascer, que isenta da anuidade advogadas no ano do nascimento ou da adoção de filhos.

● PrimaVida Dental OABRJ-Caarj X Plano Odontológico


O plano odontológico oferecido pela Seccional é mais uma economia para os colegas, que se contratassem o serviço por fora desembolsariam em torno de R$ 43 ao mês. Além disso, através dos convênios com clínicas, os advogados e advogadas têm facilidades para realizar consultas, exames e garantem descontos em farmácias.

“A Ordem representa todos os advogados, mas nossa missão é não deixar ninguém para trás. Acreditamos que a classe precisa estar forte para se unir e lutar contra as batalhas que temos em conjunto, como o processo de adaptação para o digital, a criminalização que nossa profissão vem sofrendo, a defesa de nossas prerrogativas. É pensando em todos que estaremos fortes”, resume Luciano.